5 tipos de escravidão moderna

50.219 Visualizações

A escravidão é uma prática antiga e triste da história da humanidade, mas apesar de tudo, ela ainda existe. A chamada escravidão moderna atinge mais de 45,8 milhões de pessoas no mundo (a maioria encontra-se na Ásia, quase 35%). Nas letras da lei, a escravidão está extinta, porém, em muitos países, principalmente onde a democracia é frágil, há alguns tipos de escravidão, em que mulheres e meninas são capturadas para serem escravas domésticas ou ajudantes para diversos trabalhos.

Escravidão moderna é uma expressão genérica ou coletiva para aquelas relações de trabalho, particularmente na história moderna ou contemporânea, na qual pessoas são forçadas a exercer uma atividade contra sua vontade, sob a ameaça de indigência, detenção, violência e inclusive morte. Muitas dessas formas de trabalho podem ser acobertadas pela expressão trabalhos forçados, embora quase sempre impliquem o uso de violência.

Veja 5 tipos de escravidão praticados atualmente:

1) Indústria da pesca e de frutos do mar
Grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que milhares de pessoas são forçadas a trabalhar em barcos de pesca, onde podem permanecer durante anos sem nem sequer poder ver a costa. As vítimas afirmam que, caso sejam flagradas tentando escapar, podem ser mortas ou lançadas ao mar.
2) ‘Fábricas de maconha’ e salões de unha 
Os números sugerem a existência de 10 mil a 13 mil vítimas de escravidão no Reino Unido, vindas de países como Albânia, Nigéria, Vietnã e Romênia. Acredita-se que cerca de 3 mil crianças vietnamitas estejam trabalhando em “fábricas de maconha” e salões de unha, onde ouvem que “suas famílias lamentarão muito” se escaparem.
3) Escravidão sexual
A Organização Internacional do Trabalho calcula que existam cerca de 4,5 milhões de vítimas de exploração sexual no mundo.
4) Obrigados a mendigar
5) Em propriedades particulares
Grande parte da escravidão moderna não é visível para o público – ela acontece em casas, fazendas ou outros tipos de propriedades particulares.

 

 

Fonte: A Lanterna, Wikipédia, Google, Brasil Escola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*